sublinhar

segunda-feira, abril 05, 2004

Leituras (3):

Praia de Pedrógão, 23 de Agosto de 1981 – Os malefícios do tabaco. Não o mérito ou desmérito da peça de Tchekov, mas os do cigarro concreto que toda a gente fuma. O meu interlocutor era um técnico de saúde. E pôs-me diante dos olhos as estatísticas, por mim, de resto, conhecidas, Simplesmente, eu navegava noutras águas. Nas da angústia humana que, desde os primórdios – na China, na Índia, no Egipto, na América e na Oceania -, se socorreu de tóxicos que a acalmassem, pacificassem, fosse qual fosse o preço. Viver é que custa. Morrer não dói tanto. Ninguém hesita em tomar um comprimido se um dente o aflige. E há dores mais profundas e pertinazes do que essas que se aliviam com uma aspirina. Dores que necessitam de um lenitivo singular, que nos saiba bem enquanto actua e seja um companheiro solícito, um confidente discreto, um amigo fiel em todas as horas e circunstâncias. Um amigo que mesmo quando acaba por nos tiranizar e perder, nos liberta ainda de nós próprios nas asas da obsessão.
Miguel Torga - Diário

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]



<< Página inicial