sublinhar

segunda-feira, abril 19, 2004

Quase compreensão

(…) afastou-se compreendendo, como nunca antes tivera necessidade de compreender fora do estudo do drama clássico grego, a facilidade com que a vida pode ser uma coisa em vez de outra e em que medida um destino pode ser acidental…e como, por outro lado, um destino pode parecer acidental quando é impossível as coisas serem, jamais, diferentes do que são. Isto é, afastou-se sem compreender nada, sabendo que não podia compreender nada, mas com a ilusão de que poderia ter compreendido metafisicamente alguma coisa de enorme importância acerca da sua obstinada intenção de se tornar senhor de si mesmo se…se ao menos tais coisas fossem compreensíveis.
Philip Roth - "A Mancha Humana"

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]



<< Página inicial