sublinhar

sexta-feira, dezembro 16, 2005

















HOJE O TEMPO NÃO ME ENGANOU. Não se conhece uma aragem na tarde. O ar queima, como se fosse um bafo quente de lume, e não ar simples de respirar, como se a tarde não quisesse já morrer e começasse aqui a hora do calor. Não há nuvens, há riscos brancos, muito finos, desfiados de nuvens. E o céu, daqui, parece fresco, parece a água limpa de um açude. Penso: talvez o céu seja um mar grande de água doce e talvez a gente não ande debaixo do céu mas sim em cima dele; talvez a gente veja as coisas ao contrário e a terra seja como um céu e quando a gente morre, quando a gente morre, talvez a gente caia e se afunde no céu.



poemaprosa de josé luís peixoto

foto de uma pintura de Dmitrij Markelov - www.godotartgallery.com/godot.asp


2 Comentários:

  • por vezes tenho percepção semelhante a esta aqui tão bem dita e fico a pensar qual será a realidade. Se a mais ususal se aquela k por vezes em assalta em k tudo parece invertido...
    Bom f.s Bjs e :)

    Por Blogger TMara, Às 10:59 da tarde  

  • muito bonito :) adoro ler peixoto :) beijo

    Por Blogger Lubiden, Às 10:08 da tarde  

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]



<< Página inicial